Open Banking: quais os benefícios do sistema para o empreendedor?

open banking

Um dos assuntos do momento no mercado financeiro é a implementação do Open Banking, um novo sistema que está em processo de implementação no Brasil. 

Como mais uma iniciativa inovadora do Banco Central para modernizar as relações entre consumidor e instituições financeiras, a pergunta que fica é: qual será o impacto dessa novidade?

Assim como foi com o Pix, há quem ainda não entende bem o que essa mudança representa e quais benefícios estão associadas a ela. Se você é uma dessas pessoas, continue lendo! 

Aqui vamos te explicar o que é o Open Banking e como você empreendedor vai se beneficiar com ele. Acompanhe!

O que é Open Banking?

Open Banking é um sistema de abertura bancária, como o próprio nome sugere. A ideia é que os dados pertencem aos usuários e não às instituições financeiras. 

Esse compartilhamento será possível graças à tecnologia de API (Application Programming Interface), que nada mais é do que um sistema que vai integrar instituições do mercado financeiro, desde que atendam aos padrões estabelecidos pelo Banco Central.

Quem tem que lidar com bancos (por quaisquer que sejam os motivos) sabe que o sistema atual é muito restrito e mantém os clientes sempre presos a uma instituição.

Por exemplo, vamos supor que você seja cliente no banco A e precisa de um empréstimo, mas percebe que as condições do banco B são mais vantajosas. 

Dificilmente você conseguirá pegar um empréstimo na instituição em que não é cliente, simplesmente porque seus dados estarão “presos” ao outro banco. Ou seja, o cliente não consegue o empréstimo por não conseguir comprovar crédito.

Com a novidade, você poderá utilizar seus dados quando quiser e da forma que quiser, inclusive para fazer negócios com bancos nos quais não é correntista.

Mas não é só isso. O Open Banking também permitirá que o usuário tenha acesso a ofertas de produtos de diferentes instituições financeiras em um mesmo aplicativo, como uma espécie de marketplace.

Mas afinal, é seguro?

Quando falamos que os dados do usuário poderão ser levados de uma instituição para outra pode soar pouco seguro, certo? Mas, em tempos de Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a segurança não pode ser negligenciada.

Apesar dessa abertura compreender bancos, fintechs e os mais diversos tipos de instituição financeira, o Banco Central cuidou de estabelecer diretrizes padronizadas. 

Em outras palavras, o objetivo é garantir que os dados dos usuários fiquem em uma área restrita e só sejam acessados por outra instituição caso ele mesmo autorize. Essas orientações foram divulgadas ainda em 2019, por meio de comunicado oficial.

Quando começa a funcionar?

Como é um projeto complexo, o processo de implementação está passando por quatro etapas. Mas indo direto ao ponto, o consumidor final já poderá ter acesso às primeiras funções do Open Banking a partir do dia 19 de julho de 2021.

No geral, as fases são as seguintes:

Fase 1 – 01/02

A primeira fase teve início em fevereiro de 2021, mas o consumidor ainda não teve participação aqui. Apenas as instituições participantes compartilharam seus dados entre si, assim como seus canais de atendimento e os produtos e serviços que oferecem.

Fase 2 – 15/07

A segunda fase é o lançamento do sistema para uso do consumidor, que poderá compartilhar todos os dados pessoais relacionados à sua vida financeira,  mediante autorização.

Fase 3 – 30/08

Na terceira fase, programada para ter início em agosto, os clientes poderão iniciar pagamentos fora do ambiente do banco, como pelo WhatsApp, por exemplo. Além disso, será possível compartilhar todo o histórico de informações financeiras.

Fase 4 – 15/12

Na quarta e última fase, será possível compartilhar outros dados de produtos e serviços, como é o caso de operações de câmbio, investimentos, seguros e previdência.

Quais os benefícios para o empreendedor?

Sabemos que a vida do empreendedor é bem complicada, especialmente porque o mercado financeiro transborda burocracias. O principal benefício do Open Banking, nesse sentido, é reduzir essas dificuldades. Além disso, podemos citar:

Redução de custos

Como mencionamos, o funcionamento do Open Banking se dá por meio de APIs abertas, Com essa tecnologia, as empresas poderão integrar seus sistemas e reduzir os custos com intermediários.

Otimização do tempo

O Open Banking também vai tornar a vida do empreendedor mais prática. Nada de ter que pular de um app para outro quando precisar colher informações financeiras. 

Você terá tudo organizado e integrado em um só espaço, economizando o tempo que você gastaria gerenciando várias ferramentas.

Melhores opções de crédito

Com novos produtos e novas possibilidades de negócio com as mais diversas instituições, os empreendedores passarão a ter acesso a mais ofertas de crédito. 

Além disso, será possível fazer toda uma análise comparativa antes de escolher qualquer serviço de crédito, o que abre as portas para a possibilidade de fazer investimentos muito mais vantajosos.

Mais segurança

Como vimos, o sistema do Open Banking será implementado pelas instituições financeiras, a partir de uma API devidamente padronizada e regulamentada pelo Banco Central.

É importante mencionar que as APIs permitem integrar aplicativos e sistemas com linguagens de programação diferentes, além de contarem com diversas camadas de segurança.

Resumindo, é uma segurança extra que vai somar às políticas dos próprios bancos, impedindo que terceiros acessem os dados.

O Open Banking é uma novidade que chega para conferir mais liberdade ao usuário em relação à sua vida financeira. No caso dos empreendedores, essa modernização também representa benefícios estratégicos para a gestão do negócio. Gostou do conteúdo e quer continuar lendo? Confira também nosso artigo com 8 boas práticas para se prevenir da taxa de juros.

Gostou dessa Publicação?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no Linkdin
Compartilhar no pinterest
Compartilhe no Pinterest

Deixe um comentário